Fale Conosco

De Dentro do e-commerce World!

Compras Coletivas agora têm lei especifica! Pelo menos no RJ

Rio de Janeiro sái na frente e cria legislação para Compras Coletivas, outros Estados estudam a idéia. Demorou não é?

Publicado

Em

Fonte TI Inside

A partir de abril, os sites de compras coletivas com sede no estado do Rio de Janeiro terão de cumprir as determinações da Lei nº 6.161, publicada no dia 10 de janeiro último, que traz diversas exigências para que os direitos dos consumidores sejam respeitados. As empresas terão que fornecer um serviço telefônico gratuito de atendimento ao consumidor. A página do site também deverá ter informações sobre a localização da sede física da empresa de vendas coletivas.

Além disso, todos terão que discriminar a quantidade mínima de compradores para validar a oferta e o prazo de utilização, que deverá ser de três meses, no mínimo. A lei ainda prevê que, caso a venda não se concretize por não atingir o número mínimo de pessoas, o dinheiro seja devolvido ao consumidor em 72 horas. Nas vendas de alimentos devem ser fornecidas informações sobre o risco de alergias e na oferta de tratamentos estéticos, as contraindicações existentes.

A Proteste Associação de Consumidores avalia que é importante esta iniciativa pioneira do Rio de estabelecer regras claras para o setor. Sites de compras coletivas têm sobrecarregado com reclamações as entidades de defesa do consumidor por abuso aos direitos dos consumidores já previstos no Código de Defesa do Consumidor. Muitos consumidores não conseguem desfrutar do serviço ou receber o produto pelo qual pagaram. E não são reembolsados de valores pagos em ofertas que não atingiram o mínimo de compradores. Entre os problemas mais comuns incluem-se a não garantia da qualidade dos serviços oferecidos, e informação incorreta sobre o percentual de desconto.

Falta uma legislação federal que regulamente o setor para que o consumidor deixe de ser vítima do jogo de empurra entre os sites e os fornecedores, embora o Código de Defesa do Consumidor (CDC) seja muito claro em relação à responsabilidade solidária.

Tramita na Câmara dos Deputados projeto de lei para regulamentar a atividade de sites de comércio eletrônico no Brasil. O PL 1232/2011 determina que as empresas de compras coletivas deverão manter serviço de atendimento telefônico e hospedar seus sites em servidores de empresas com presença física no país. Se o PL que está na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio for aprovado, passarão ser obrigatórias informações sobre quantidade mínima de compradores, prazo para utilização da oferta, endereço e telefone do anunciante e quantidade máxima de cupons que podem ser comprados por cliente.

Para reduzir problemas de agendamento, o projeto de lei prevê ainda que as ofertas tragam dados sobre a quantidade de clientes que serão atendidos por dia e a forma de agendamento para utilização da oferta. E prazo de 72 horas para devolução de valores pagos no caso de o número mínimo de interessados não ter sido atingido.

Reação das empresas

Na tentativa de reverter a má imagem das compras coletivas diante da avalanche de problemas a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e.net), que reúne as grandes empresas do setor, elaborou um código de ética, e uma cartilha, intitulada “10 mandamentos das Compras Coletivas” para o consumidor. E em março lançará um selo de qualidade.

Em dois anos no mercado brasileiro as empresas que se dedicam a este comércio já somam cerca de 2 mil. Nesse período, as reclamações contra o setor também cresceram consideravelmente.  Somente no Procon do Rio de Janeiro esse número aumentou em sete vezes no último ano. Em 2011, o órgão registrou 353 queixas de consumidores contra 49 em 2010. E na Proteste não foi diferente: 415 associados reclamaram.

Em São Paulo o Procon também registrou alta de 123,49% nas reclamações sobre compras pela internet que passaram de 9.882 no primeiro semestre de 2010 para 22.086 no mesmo período de 2.011.

 

consultoria

E a revolução continua! ela é silenciosa mas poderosa – Reebook lança seu próprio e-commerce B2C

Fábricas montam seus próprios e-commerce´s e preocupam lojas especializadas, shoppings e supermercados.

Publicado

Em

Nós temos observado que as fábricas se renderam ao e-commerce, leia sobre a loja virtual da Coca Cola ,  e tem se aventurado a vender diretamente ao consumidor.

Algumas perguntas nos vem a cabeça:

  • Isso será um desastre para supermercados e lojas especializadas ( nesse momento vistos como revendedores ?)
  • Os preços das fábricas certamente conseguem ser melhores do que dos revendedores, então será um atrativo comprar diretamente da fábrica online? isso não vai prejudicar os revendedores? que são parte importante, senão essencial,  do faturamento das fábricas?
  • O que fará o consumidor preferir comprar da fábrica?

Tudo isso é novo, e como tudo que é novo promove dúvidas. O fato é que  supermercados, shoppings  e lojas especializadas precisam se  modernizar e pensar nos canais digitais com mais “carinho”; as fábricas pensaram.

E-commerce da Reebok chega ao Brasil | TI INSIDE Online – WEB INSIDE

A Reebok lança seu primeiro e-commerce no Brasil nesta quarta-feira, 15, A nova plataforma online, que é de propriedade da Reebok Global, foi desenvolvida pela própria marca ( outra tendência – plataformas devem ficar atentas )  e faz parte da sua estratégia de expansão no país.

O mix de produtos conta com cerca de mil opções entre calçados, vestuário e acessórios, distribuídos entre feminino, masculino e infantil – para modalidades esportivas (linhas de performance) ou os clássicos (Reebok Classic).

Um dos destaques desta novidade é o CrossFit Nano 7, bastante aguardado pelos praticantes do esporte e que também tem seu primeiro dia de venda no país nesta quarta-feira. Por outro lado temos os clássicos da Reebok Classic, que buscam sempre aliar conforto e estilo.

Oe-commerce fará entregas para todo o país. “O lançamento desta plataforma digital faz parte da estratégia de ampliação da distribuição da marca no país, para que mais consumidores tenham acesso aos nossos produtos”, explica Jaume Casas Alvarez, diretor de marketing da Reebok para o Brasil. Recentemente a marca inaugurou sua primeira loja própria no Shopping Eldorado, em São Paulo.

Carimbo evision2-03

baixe agora portfolio evision

Continue lendo

De Dentro do e-commerce World!

Mais um…conheça o “Zé Delivery” o e-Commerce da Ambev

Ambev entra no e-commerce B2C e promete entregar cerveja em até 1 hora! Supermercados precisam contra-atacar!

Publicado

Em

O nome é até engraçado, Zé Delivery! isso é mesmo , esse é o e-commerce que a AMBEV acabou de lançar , na verdade o site entrou no ar em dezembro, teve alguns probleminhas mas já esta a todo vapor!

O Zé delivery vende as principais marcas de cerveja da AMBEV para os Paulistanos! (por enquanto o serviço está atendendo somente a algumas regiões de São Paulo, como Jardins, Itaim, Vila Nova, Vila Olímpia, Vila Mariana, Moema e Brooklin) .e também tem um APP , super simples de usar.

ecommerce da ambev entrega cerveja em uma hora solange oliveira opina

O bacana é que todo projeto digital tem uma forma de comunicação bem popular e diferente dos e-commerces certinhos que hoje atuam no mercado.

A Ambev já atua no e-commerce com o Emporio da Cerveja , e-commerce administrado pela B2W essa loja possui acessorios e até energéticos.

Essa é mais uma “dor de cabeça” para os supermercados, que precisam entrar de vez no varejo digital , e tem que ser rápido!

( conheça também o e-commerce da Coca Cola – clique Aqui

Conheça > https://www.ze.delivery/

 

Continue lendo

consultoria

Até tu Coca-Cola?

Marca Icônica de refrigerantes agora vende direto ao consumidor pelo seu e-commerce.

Publicado

Em

E agora é oficial! Coca Cola tem sua própria loja virtual.

“O e-Commerce esta seduzindo as fábricas , que vendem direto ao consumidor, supermercados e distribuidores terão que se reinventar”. Solange Oliveira

O rumor já vinha se espalhando no mundo do e-commerce há algum tempo, e quem é da área já esta percebendo esse movimento : As fábricas usando o e-commerce para vender diretamente ao consumidor, sobretudo a área de alimentos.

Por enquanto, a loja virtual aceita apenas encomendas com CEPs válidos na cidade de São Paulo e oferece diferentes versões das marcas Coca-Cola e Schweppes. Apesar de nova no Brasil, a iniciativa já foi aplicada pela companhia em outros mercados, como Estados Unidos e Índia.

Os cases de marketing da Coca-Cola são reconhecidos e estudados pelo mundo nas escolas de negócio, e no e-commerce não é diferente: A experiência já começa com uma personalização da garrafa, seguindo o conceito de “Quem faz diferente , Ganha!”

ecommerce coca cola revolucionando o ecommerce solange oliveira

Você pode comprar ainda as versões Vanilla , Cherry e Schweppes.

Coca cola ecommerce

 

Essa é uma tendência que temos que observar de perto , as fábricas ( alimentos )  vendendo diretamente ao consumidor! os preços são diferentes aos praticados pelos supermercado, é verdade, então o que faz com que os consumidores comprem online? A resposta é tão simples quanto complexa : – Serviços agregados ou diferenciados; como esse de personalizar a garrafa de Coca-Cola ( já fiz a minha…rs ), e a admiração à marca.

São os novos movimentos do e-commerce Brasileiro.

Coca-Cola é isso aí!

Acesse e conheça : http://loja.cocacola.com.br/

Querendo entender mais como o e-Commerce pode ajudar sua marca a crescer e aparecer? Consulte a e-Vision !

 

 

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Title

Trending