Fale Conosco

Uncategorized

Aprenda a Gerenciar Projetos com os Pinguins de Madagascar!

Aprenda a Gerenciar Projetos com os Pinguins de Madagascar!

Publicado

Em

PINGUINS

http://wp.me/pAmEk-36 ( short link – espalhe!)

Entrevistei muitos gestores de projetos e notei que os próprios se confundem com os termos de sua tão famosa e estimada profissão, e em primeiro lugar vamos esclarecer alguns termos:

PMP –  Project Management Professional (PMPProfissional de Gerência de Projetos , em português) é um documento emitido pelo Project Management Institute (PMI) que atesta profundos conhecimentos nas boas práticas de gerenciamento de projetos, responsabilidade social e ética, baseados na norma PMI-ANSI denominada PMBOK.

PMIProject Management Institute – ou seja quem dá o certificado de PMP

PMO – Project Management Office ou Escritório de Projetos. É uma unidade organizacional com o objetivo de conduzir, planejar, organizar, controlar e finalizar as atividades

PMBOK –  Project Management Body of Knowledge, é um conjunto de práticas em gerência de projetos levantado pelo Project Management Institute (PMI) e constituem a base da metodologia de gerência de projetos do PMI. Estas práticas são compiladas na forma de um guia, chamado de Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos, ou Guia PMBOK®.

Resolvi  esclarecer porque já vi muito profissional dizendo que é PMO ! fiquei imaginando o sujeito com cadeira e mesa grudada no corpo, já que PMO é uma unidade organizacional !

Outro me disse que tinha muita experiencia em PMI! Perguntantei o que ele achou da Filadelfia – ele não entendeu! Porque imaginei, se o “ser” tem experiencia no Instituto que emite os certificados de Gestão de Projetos é porque conhece a edificação como ninguem!

E essa é a melhor : (…)” estudei muito o PMBOOK(!!) , é um livro muito bom, que me ensinou todas as tecnicas de controle de projeto “ –  Meus sais…

Querido profissional de projetos – PMBOK  não é Livro de gerencia de projeto em Inglês!

Acho realmente que esse negocio de ser gerente de projeto esta super valorizado.

Todo mundo que ser, quase ninguem é!

Todo mundo quer contratar, mas poucos conseguem.

Todo mundo que acha que é, não é sombra do que deveria ser.

Os PMP são muito mal humorados, ninguem nas empresas gosta deles!

São muito rigidos – não saem do lugar se não for feito um EAP ( Estrutura Analítica de Processo ).

Não estou criticando já fui gerente de projeto ! e acho realmente que até pra fritar ovo é preciso ter metodologia. Mas meus amigos PMP precisam de um pouco de flexibilidade não acham?

Abaixo apresento minha equipe vencedora de projetos:

  • Skypper : Gerente de Projeto PMP
  • Kowalsky: Analista de Processos/Coordenador de Projeto
  • Rico – Cronograma man
  • Private – o estagiario

Divirtam-se!

[vimeo 6228386]

Continue lendo
16 Comentários

16 Comments

  1. Jobert Aparecido Pereira

    agosto 23, 2009 em 11:28 pm

    Realmente, seguir uma metodológia é muito diferente de pleno conhecimento ou dizer uma inverdade, para demonstrar conhecimento.
    A meu ver um profissional de gerenciamento de projeto, mais do que nunca deve aprender não somente ter conhecimentos das metodologias do PMI, PMO, PMP, ITIL, como tambem ter suas certificações, mas acima de tudo saber de tudo do que se trata.
    Você até ter trabalhado com mas não saber de nada.
    Abraços,

  2. Rogerio Tamassia

    agosto 24, 2009 em 12:22 pm

    Solange,

    Parabens pela iniciativa da elucidação. Tem muita gente chamando urubu de louro só porque está na moda. So queria colocar um outro prisma sobre a questão do “ser PMO”. Esta qualificação pode ser correta quando o cara é o gerente do escritório de projetos, ou Project Management Officer. Isto é aplicável quando ele cuida do assunto Gerenciamento de projetos na organização. Por outro lado, tem muita empresa por aí (e até empresas reconhecidas por melhores práticas) gritando em letras garrafais: “Fulano é o PMO do projeto”. Isto é não existe! Fulano pode ser o gerente do projeto, mas nunca o “escritório do projeto”.
    Sds

  3. solange0307

    agosto 24, 2009 em 12:28 pm

    É verdade Roberto!

    E Olha em umas das escolhas profissionais ruíns que fiz havia 1 PMP – e outros 3 gestores de projetos – quando algo caia na mao do PMP… nossa.. não saia!
    Tudo muito truncado!
    Acho realmente que deveríamos levantar uma discussão para mudar um pouco job description do Gerente de Projeto.
    Hoje ele apenas tem que ter o certificado e servir de capataz.

    Abraço e obrigada por “postar”.

  4. Lucas Delaqua

    agosto 24, 2009 em 12:42 pm

    Solange você levantou um ponto muito importante, será que só a certificação e conhecimento das metodologias garante que a pessoa é um bom gerente de projetos?

  5. solange0307

    agosto 24, 2009 em 1:55 pm

    Olá Lucas,
    Pois é… tenho certeza que a certificação é item de penteadeira….
    Já tive muitos gestores de projetos sensacionais e que não eram PMP, por pura preguiça ( também grana – porpque tirar US$ 400,00 do bolso pra uma prova é pra quem pode…) e outros que sabiam até o numero das paginas onde estava a definição do escopo na metodologia – e esses sempre causavam problema por sua falta de flexibilidade, inabilidade de ouvir, presunção de estar sempre certo.
    O ponto é que : Projetos são feitos de tecnologia e pessoas – a parte de tecnologia o manual trabalha bem… para o ítem pessoas é preciso ser uma delas!!

    aBs. e obrigada por ‘postar”

  6. Eduardo Fernandes

    agosto 24, 2009 em 9:41 pm

    Olá Solange,

    Não só existem GPs que desconhecem o Guia PMBOK (r), desconhecem o PMI e etc como também existem empresas que publicam posições buscando profissionais com “conhecimento na metodologia do PMI” (sic) quando na verdade nós PMPs sabemos que o PMI promove a discussão, edição e a publicação de um standard reconhecido mundialmente, que é entre outros, o PMBOK que é um subconjunto do corpo de conhecimento em Gerenciamento de Projetos que é amplamente reconhecido como boa prática. Dizemos subconjunto porque ele sintetiza num documento boa parte do conhecimento geral existente na literatura e academia sobre o tema Gerenciamento de Projetos, e que o documento sinetizado é atualizado, editado e publicado a cada quatro anos.

    No caso de “amplamente reconhecido” significa que o conhecimento e as práticas descritas são aplicáveis à maioria dos projetos na maior parte do tempo, e que existe um consenso geral em relação ao seu valor e sua utilidade (fonte Guia PMBOK(r)).

    Concluindo, há desconhecimento de quem não é PMP e gostaria de ser um profissional certificado e há desconhecimento de RHs, empresas em geral que tem tomado conhecimento de que cada vez mais empresas tem buscado ter em seu corpo de profissionais pessoas capacitadas que tenham e estejam alinhados com as boas práticas preconizadas pelo PMI. Quanto a metodologia, cada empresa, acaba desenvolvendo a sua metodologia ou adaptando de outras metodologias existentes em função de sua cultura, maturidade, porte, setor de atuação entre outros. No caso da metodologia dos Pinguins, confesso que achei muito engraçado. Eu já tinha visto o filme Madagascar e confesso que este vídeo é o “recorte” no material do DVD que está muito apropriado para conscientizar sobre gestão de projetos… de uma forma alegre e divertida!

  7. solange0307

    agosto 24, 2009 em 9:48 pm

    Que bom que gostou Eduardo!
    Use em treinamentos- o pessoal adora!

    Obrigada por “postar”

    Abraço.

  8. Sérgio

    agosto 27, 2009 em 10:58 pm

    Solange,

    Terminei meu MBA em gestão de projetos mas ainda não fiz o exame, para me certificar como PMP, por ser caro e como disse, pode ser até item de penteadeira, mas por não possuir este certificado, serei discriminado em uma pré-seleção? Como alguns disseram, o simples fato de possuir o certificado não é garantia que as boas práticas estabelecidas no PMBOK, são seguidas rigorosa e religiosamente, ou vice-versa.

    Abraços.

    Sérgio

  9. solange0307

    agosto 27, 2009 em 11:36 pm

    Oi Sergio,
    Veja, eu acho que você não será discriminado – mas em algumas empresas ( míopes) você será avaliado em segundo plano.

    É um mundo estranho sabe… eu decepcionada…me retirei dele!! Mas não desista! mostre que o bom GP é resiliente, astuto, e entende muito de metodologia – mas não é um Cubo !
    Abraço e sucesso!

  10. Gustavo Villa

    setembro 28, 2009 em 2:58 pm

    Solange, fiquei curioso para saber o que você acha do SCRUM.
    No começo para mim pareceu muita bagunça embalada num nome que gera inspiração, mas não é que no dia-a-dia até estou gostando?
    Você utiliza ou já utilizou SCRUM?

  11. E-commerce Girl

    setembro 28, 2009 em 4:19 pm

    OI Gustavo,
    Confesso que tentei…também me senti seduzida pelas reuniões “em pé” e de 5 minutos….
    Nas corporações ainda é visto como uma moda.
    Em minha última atuação – tentamos utilizar – e até que combinaria porque lá era uma bagunça! ( rs)
    mas… nao rolou… o pessoal adorava um monte de iniciativas e nenhuma “acabativa”!
    Mas sou simpatica a qualquer iniciativa de gerenciamento enxuto e inteligente!

    Bj.;

  12. Rolando Hennessey

    julho 27, 2010 em 5:56 pm

    Thanks for taking the time to write that, I found it very detailed. If you get a chance you should visit my blog as well. I hope you have a nice day!

  13. Diego

    agosto 3, 2010 em 1:04 pm

    Mas o Private é o cara que tem as melhores e mais brilhantes idéias. E olha que ele é estagiário. 🙂
    Excelente post.
    Diego Ferreira

  14. Pacifiers

    agosto 10, 2010 em 6:13 am

    I really liked visiting your blog, and it looks great. If you get a chance you should check my blog as well. I hope you have a good day!

  15. expediente

    dezembro 17, 2010 em 11:17 am

    Good read, I just now passed this onto a friend whom was doing a little research on that. And this individual actually decided to buy me lunch for the reason that I found it for him laugh So let me rephrase that: Thank you for lunch!

  16. Rodolphe

    novembro 22, 2012 em 5:21 pm

    Que belo tabefe, hein Nepf4?Seria eseipudtz dizer que discordo que e9 necesse1rio resgatar a geste3o da sabedoria (resgatar ou criar? A gente teve alguma civilizae7e3o se1bia?), mas estou entre as pessoas que enxergam que estamos em uma grande virada cultural e ate9 evolutiva.Seu post pede um post inteiro como resposta Vou tentar opinar sucintamente aqui e escrever algo mais elaborado depois.Antes de mais nada o que tenho para dar e9 apenas a opinie3o de um analista de sistemas e consultor em geste3o do conhecimento que e9 apaixonado pela conscieancia e arte humanas.Tenho dito para todo mundo que estamos diante de um passo evolutivo comparte1vel ao surgimento da fala ente3o meu primeiro impulso e9 rejeitar o que vc disse.Por outro lado uma coisa e9 o movimento que nossa espe9cie este1 fazendo coletivamente que um dia podere1 criar uma sociedade em que quase todos vivere3o em torno do conhecimento e da sabedoria (adorei essa ide9ia desde que a ouvi no seu Gengibre), mas hoje o que temos, vc tem raze3o, e9 uma triste exposie7e3o de arroge2ncia e injustie7as.Talvez eu seja um pouco ingeanuo, mas acredito que essas tecnologias que este3o surgindo porque he1 um impulso coletivo em diree7e3o a um novo paradigma que ne3o e9 industrial ou consumista e pode ser caracterizado pelo conhecimente e, quem sabe, a sabedoria.Seja como for tecnologia realmente ne3o faz absolutamente nada! Ela e9 instrumento. A gente tem que saber como use1-la.Aqu vem a queste3o que mais me perturba e para a qual ne3o tenho resposta: O que podemos fazer para alimentar uma nova era onde o conhecimento e a sabedoria estejam no centro das nossas vidas e possamos construir um mundo justo, ecologicamente equilibrado, em que as diferene7as sejam admiradas e ne3o apenas toleradas?

Deixe um recado

O seu endereço de e-mail não será publicado.

De Dentro do e-commerce World!

Brasil é alvo diz ALIBABA

O Brasil na rota do e-Commerce Mundial

Publicado

Em

by MARCELO NINIO  DE PEQUIM para a Folha

“Somos uma força revolucionária”, diz Zeng Ming, estrategista-chefe do grupo Alibaba, a maior empresa de comércio eletrônico da China –e, em breve, a número um do mundo, preveem analistas.

A imodéstia de Zeng é explicada pelos números estratosféricos. Eles fizeram do Alibaba um fenômeno em constante crescimento desde sua criação, em 1999, época em que poucos na China sabiam o que era internet.

Jack Ma, fundadordo sitede e-commerce chinês Alibaba_ ecommercegirl.com

Jack Ma, fundadordo sitede e-commerce chinês Alibaba

 

Embora o sucesso não tenha se repetido no Brasil, onde o Alibaba desembarcou em 2010, Zeng afirma que o país tem potencial para ser um dos maiores mercados de e-commerce do mundo, e por isso é um dos alvos estratégicos da empresa.

“Pode demorar, mas os exemplos vão convencer os empresários brasileiros.”

“No início, ninguém acreditava na gente. Só quando os primeiros clientes começaram a receber grandes encomendas do exterior é que as pessoas começaram a aderir. Hoje, temos usuários em 200 países.”

O Alibaba não é um site para consumidores, mas uma espécie de comunidade de negócios que facilita a conexão entre empresários.

No jargão do setor, um modelo conhecido como B2B (business to business).

Segundo a revista “Economist”, que colocou a empresa na capa de sua edição mais recente, o grupo Alibaba movimentou US$ 170 bilhões em vendas no ano passado, superando as gigantes americanas eBay e Amazon somadas.

“Sem a estrutura e a tradição do varejo americano, mas com a tecnologia em rápida expansão, pudemos inovar e mudamos fundamentalmente a paisagem de negócios da China”, disse Zeng à Folha.

A inovação foi criar uma ferramenta que permitisse conectar pequenas manufaturas da China ao mercado local e internacional.

COGUMELOS

A mudança, afirma Zeng, não se limitou aos centros urbanos nem à indústria.

“Com a ajuda do Alibaba, pequenos fazendeiros passaram a vender mel, cogumelos ou tomates a fornecedores que estariam inacessíveis sem a tecnologia”, diz.

“O consumidor também ganhou. Com o aumento da oferta, os preços baixaram.”

Empurrado pelo interesse mundial pelo mercado asiático, o negócio criado pelo professor de inglês Jack Ma explodiu, indo além do B2B para gerar duas outras empresas de e-commerce.

Há duas semanas, Ma, 48, anunciou que deixará o cargo de presidente-executivo, em meio a especulações de que o grupo abrirá capital.

Analistas consultados pela “Economist” estimam que, com a oferta pública inicial de ações, o valor da empresa ficará entre US$ 55 bilhões e US$ 120 bilhões. Para efeito de comparação, o Facebook é avaliado em US$ 60 bilhões.

360graus_fotos_ecommerce_ecommercegirl.com

 

Continue lendo

E-commerce Girl NEWS

O Governo Diz NÃO para o e-Commerce

Decepção: Na contra mão do Mundo, Governo Brasileiro diz – e-Comercio Eletrônico não interessa ao Brasil

Publicado

Em

by Folha de São Paulo

Negócios

 relacionados a comércio eletrônico não terão prioridade no programa Start-Up Brasil, do governo federal, que prevê investimento de R$ 200 mil e apoio de gestão a empresas iniciantes.

É o que diz o secretário de política de informática do Ministério da Ciência e Tecnologia, Virgílio Almeida. Segundo ele : “Propostas como essa correm sério risco de ficarem sem aceleradoras e não serem aceitas. O que queremos estimular são softwares e serviços de TI para indústrias importantes, como a de educação, saúde e defesa”, diz.e, negócios apenas baseados na internet, como os de comércio eletrônico, não interessam devido à saturação e por não serem “estratégicos para o país”.

Na última quinta-feira, o governo lançou a segunda fase do programa, que vai apoiar até cem start-ups (empresas iniciantes de base tecnológica). As inscrições começam no próximo dia 31.

Serão quatro os critérios de escolha. O mais forte, com peso 4, será o modelo de negócios, no qual os interessados deverão mostrar qual o mercado a ser atingido, os possíveis concorrentes e o potencial de crescimento.

Depois será avaliada se a solução tem tecnologias inovadoras, com peso 3.

A qualidade da equipe terá peso 2 na avaliação e serão analisados o currículo dos participantes e a capacidade de executar o que propõem.

Por último, com peso 1, as start-ups deverão ter projetos alinhados com o Plano TI Maior. Os temas prioritários dessa iniciativa são educação, defesa, saúde, petróleo e gás, energia, sistemas aeroespaciais, grandes eventos esportivos, agricultura, ambiente, finanças, telecomunicações, mineração e tecnologias estratégicas.

Uma comissão com representantes do empresariado, do governo e da academia vai fazer a escolha. Além da verba de R$ 200 mil, as start-ups receberão um montante variável de investimento privado das nove aceleradoras que foram escolhidas para participar da iniciativa.

O programa também terá uma representação no Vale do Silício para divulgar as empresas participantes.na contra mão do e-Commerce eCommerce Girl

(por REINALDO CHAVES especial para a Folha )

 

 

 

Vagas para e-Commerce e Midia Digital

 

Continue lendo

Dicas E-commerce Girl

10 e-Commerces mais acessados do Brasil

O Ranking dos 10 comércio eletrônicos ( incluindo Compras Coletivas ) mais acessados no Brasil

Publicado

Em

ranking eCommerce Brasil eCommerce Girl

By Hitwise

No ranking de audiência a sites de comércio eletrônico divulgado pela Hitwise, unidade de pesquisa da Serasa Experian, o Mercado Livre se manteve como o serviço que mais teve visitas no país. Foram 10,11% de participação de mercado em fevereiro, mesma índice registrado no ano passado, seguido pela  Americanas, com 4,80% de market share em visitas (veja abaixo a lista completa). Na sequência aparece o Buscapé, com 3,47%, que saltou da sétima para a terceira colocação. O site tomou o lugar do Groupon, que ocupava a terceira posição em fevereiro de 2012, com 2,98%, mas caiu para o décimo posto neste ano, com apenas 1,86% de partcipação de mercado.

Outra mudança foi da Netshoes. A loja virtual de artigos esportivos caiu do quinto lugar, com 2,54% da audiência na categoria, para a sétima posição, mesmo ganhando alguns décimos de participação de mercado e somando 2,74% de share. O Magazine Luiza, que antes figurava na oitava posição, sequer apareceu entre top 10 deste ano.

Fontes de tráfego

As categorias de site que mais geraram tráfego para essas páginas foram “ferramentas de busca”, com 27,29% do volume de acessos, redes sociais e fóruns (17,52%), sites de e-mail (6,15%), lojas de departamento (5,50%) e recompensas e diretórios (3,67%).

Distribuição regional

A região Sudeste concentrou as visitas ao comércio eletrônico, com 61,42% da participação no período de 12 semanas, encerrado dia 2 de março. O Sul do país aparece na segunda posição, com 15,17%, enquanto o Nordeste, Centro-Oeste e o Norte ficaram com 12,14%, 7,74%, e 3,53%, respectivamente.

1. Mercado Livre (10,11%)

2. Americanas (4,80%)

3. Buscapé (3,47%)

4. Dafiti (3,35%),

5. Bom Negócio (3,05%)

6. OLX (2,78%)

7. Netshoes (2,74%)

8. Shopping UOL (2,52%)

9. Casas Bahia (1,87%)

10. Groupon Brasil (1,86%)

Vagas para e-Commerce e Midia Digital

Continue lendo

Facebook

Propaganda

Title

Trending